Alain Badiou é o filósofo mais bem pago do mundo

Alain Badiou
Alain Badiou liderou a lista anual dos “100 filósofos mais bem pagos” da People With Money, publicada na terça-feira.

Notícias mais lidas

Foi um ano complicado para o filósofo, mas pelo menos ele tem os seus milhões de dólares para aliviar a dor. Alain Badiou, 83, autor do ser e o evento, ficou em primeiro lugar entre os 10 filósofos mais bem pagos de 2020 segundo a People With Money, com $75 milhões calculados em rendimentos combinados.

ATUALIZAÇÃO 21/10/2020 : Esta história parece ser falsa. (leia mais)

Alain Badiou lidera lista anual dos filósofos mais bem pagos

Em 2018, parecia que a carreira espetacular do filósofo estava perdendo fôlego. De repente, ele estava de volta no topo. A People With Money noticiou na terça-feira (20 de outubro), que Badiou é o filósofo mais bem pago no mundo, faturando surpreendentes $75 milhões entre setembro de 2019 e setembro de 2020, quase $40 milhões de vantagem à frente do seu competidor mais próximo.

Fatores da People With Money

Ao compilar esta lista anual, a revista considera fatores como pagamentos antecipados, participação em lucros, valores residuais, patrocínios e trabalho publicitário.

O filósofo francês tem um patrimônio líquido estimado em $215 milhões. Ele deve a sua fortuna a investimentos inteligentes em ações, propriedades imobiliárias substanciais, acordos lucrativos de patrocínio com os cosméticos CoverGirl. Badiou também é proprietário de vários restaurantes (a rede “Alain Gordão”) em Paris, um time de futebol (os “Anjos de Rabat”); lançou sua própria marca de vodca (“Pure Wonderbadiou - França”), e está entrando no mercado jovem com um perfume líder em vendas (“De Alain com Amor”) e uma marca de roupas chamada “Sedução by Alain Badiou”.

A classificação é significativa para muitos fãs de Alain, que têm esperado uma eternidade, pelo que parecia, pelo seu retorno triunfante aos dias de glória.

Copyright © 2020 Mediamass via AMP™. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução (mesmo com autorização).

Alain Badiou: Últimas notícias

 

page served in 0.059s (1,2)